segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Desengano

- Ei, galera, 'perae' que eu preciso ligar pra meu pai!

Qual é mesmo o número? Ah, lembrei: oito-oito-UM-quatro-três-zero-zero-três

E digitou: oito-oito-QUATRO-um-três-zero-zero-três.

- Alô, pai?

- Filho? Filho?!?! É você?! Por que você sumiu?

- Hã?! Pai, nem demorou tanto assim! Só foi o tempo pra pensar algumas coisas...

- Mas... ah, eu e sua mãe estávamos super preocupados, ela até precisou ser sedada pra dormir algumas noites! Já acionamos até polícia.

- Não precisava disso tudo, pai. Eu volto pra casa amanhã!

- Ai, que felicidade!! Alívio, meu pequeno! Vou ligar pra todos os seus tios e seus avós! O banquete vai ser melhor do que o do Natal!

- Você não me dá atenção mesmo, né? Eu já tinha dito quando voltava.

- Tá. Eu admito que não tenho sido muito presente. Mas isso é coisa do passado, pense em daqui pra frente, daqui pra frente! Suspendi a bebida, diminuí o trabalho...

- E desde quando você voltou a beber, pai?

- Ah, desde aquela suposta traição da sua mãe! Desconfio até hoje!

- Mas vocês sempre pareceram tão bem...

- É, né? Algumas vezes o "parecer ser" é mais importante que o "ser".

- E toda aquela conversa sobre confiança?

- A gente só quis te proteger, meu filho! A gente queria que a separação fosse algo menos doloroso...

- Hã?! Separação?! Por que isso logo agora?

- Não foi você que disse que o importante era a gente estar bem?

- Ah, essas coisas só se diz pra amenizar o que se sente... É da boca pra fora! Claro que ninguém quer que aconteça.

- A gente ainda te ama. Você ainda é nosso filho, nós ainda seremos pai e mãe. Só não seremos mais marido e mulher.

- Quem ama não mente.

- Mas...

Tu tu tu tu tu tu tu tu

O crédito acabou. A ligação caiu. O menino nunca mais voltou para casa. A esperança voou. O amor acabou.

16 comentários:

. ρe₫πŎ ° disse...

tá, acho que não foi a intenção, mas eu ri muito.

não reconhecer a voz do pai foi bronca.
x:

Calango! disse...

Todas as famílias são iguais. Só mudam o número de telefone.

Yuri Padilha disse...

Do jeito que as coisas andam, Pedro, eu não acho muito difícil isso acontecer.

=(

kesiaduarte disse...

É o amooor!
Que mexe os miolos e o deixa assim.

x)

Polliana Araújo disse...

Tudo que envolve família é sempre complicado. Mas, por mais doloroso que certas coisa sejam, é com ela que nós aprendemos a crescer... e temos que ser tolerantes, compreensivos, temos que ceder muito, mesmo com a decepção, a dor, a angústica, a revolta e tudo o mais, pois só temos eles, nossos pais (e irmão e avós e tios...).

Querendo ou não, o pai da história tá certo. Ex-marido e ex-mulher existe, mas ex-pai, ex-mãe ou ex-filho... de forma alguma.

E saiba, é na dor que a gente fica mais unido, pode crer!

Bjo, seu moço Padilha. Inté mais ver =*

Polliana Araújo disse...

Valha que faltou S que só a piula no meu comentário... ¬¬

Rute Vieira disse...

ah, não acredito que o amor tenha acabado!
amor, principalmente por ser de família, não acaba. nunca. :)

Nathi disse...

Nossa, a coisa aqui tá bombando hein?!?!

Pois é, concordo com Pedro que não saca a voz do pai é meio "dã", mas...poderia mesmo acontecer.

[sso que dá ler o comentário dos outros antes, esqueci o meu]
An, uma relação que acabou assim por causa de uma ligação "errada" já devia estar desgastada. Não acredito que tenha sido só isso que fez o filho não voltar nunca mai pra casa, talvez tenha sido só um pretexto pra ele...porque pelo que pareceu ele já estava fora um tempo..Explica mas não JUSTIFICA!

Yuri Padilha disse...

Há muito mais mistérios nesse texto!

; ))

GABRIEL, gustavo disse...

Brilhante.

Vou dizer: foi um dos meus preferidos.

Só não ganha de "Entre Livros e Ilusões".

Ah, não quero refletir nada.xD

Juju disse...

Gostei! Maneira irreverente de abordar um assunto que é mais comum do que desejamos! Brigado pelo posta lá no meu blog! ;)

gê. disse...

genial o post.
é engraçado como a gente acha qe nossos problemas sao os maiores do mundo,
até qe a gente descobre no do outro lado do muro,
eles têm os mesmos problemas.

é realmente uma pena o amor ter acabado, mas acontece disso acontecer, neah?

e o filho do cara nao voltou, mas o menino do telefone, voltou? como encarou as coisas qnd chegou em casa?

belo post.

Yuri Padilha disse...

isso nem eu sei. quem é que sabe do coração dos outros?

; )

Polyana disse...

Amor de verdade jamais acaba. Se acabou é porque nunca foi amor.

Adorei o blog (: e também te sigo Yuri.

Nathi disse...

Não concordo, Polyana.
Amor acaba, a gelatina acaba...o sol acaba...

Tudo acaba.

Já não tenho uma visão romantica do mundo.

Polyana disse...

Bom, não acho que seja necessária uma visão romântica para entender o significado da palavra amor. Talvez seu significado esteja tão banalizado que perdeu a verdadeira essência. Quando amamos alguém, estamos responsáveis pelo objeto amado. Talvez mude, cresça, seja transformado, mas amor na real, não acaba. As pessoas costumam ser antecipadas nas declarações de amor, e esses laços "amorosos" são desfeitos, e acabam, porque jamais foram, se quer entrelaçados. Temos que saber amar as pessoas; amar correta e verdadeiramente.

Postar um comentário