quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Uma rapidinha (ou "Amor a Primeira Transa")

Casório no agreste, em uma cidade pequenina. Meia hora de atraso - se é que se pode chamar tal momento de atraso, afinal faz parte da festa ver o noivo suar. Duas pingas pra acalmar. Menino querendo doce. Choro de mãe. Padrinhos nervosos. Um casal se olha. Burburinho, e logo o silêncio. A noiva chega. Correria. Um casal se olha. Todos em seus lugares, levantam-se. Um casal sai.

Noivos caminham pro altar. O casal corre para o banco traseiro da kombi. O padre saúda a igreja. As bocas se saúdam. Nervosismo e aperto no peito dos noivos. Aperto de corpos entre o casal. Borboletas no estômago dos noivos. Cabeçadas entre as coxas do casal. Choro e suspiro na igreja. Gemidos e sussuros na kombi. Selando o amor. Melando o calção.


- Que fale agora ou cala-se para...

- Nós também queremos casar!

S-u-r-p-r-e-s-a geral! Satisfação e prazer em dupla! Era só isso que importava. Loucura?

- Que sejam felizes para sempre!

Quanto dura o para sempre?

Um casal, amor. E o outro? Amor, também. Por que não?

- Vamos dar mais uma?

Que fale agora ou case-se para sempre.

7 comentários:

Polliana Brasil disse...

Volúpia!

Gostei do blog :D

marcus dutra disse...

Que lindo, cara.

Rute Vieira, disse...

o amor do altar, e o amor da kombi. não deixa de ser amor em ambos os casos.
belo texto, yuri :D

GABRIEL, gustavo disse...

E no Gurgel, rola?

;.]

Nathi disse...

Tinha que ser o Yuri mesmo...

Amor e sexo...

Acho que isso virou até música de Rita Lee!

R@mon_Vitor disse...

Curti teu blog.
uhauhauahua
encontrei você no blog da Nathi e resolvi dá uma passada, bom aqui, muito bom na verdade...
valeu.

Malandrinha disse...

Madrugadas produtivas!

Postar um comentário